• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Coleta seletiva de lixo nada mais do que uma questo de cidadania
País: Brasil
Fonte: http://www.agrosoft.org.br/agropag/103381.htm
Data: 12/2008
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
O lixo um dos subprodutos do conjunto de atividades desenvolvidas pela sociedade, com o objetivo de atender suas necessidades de consumo. Este subproduto, bastante heterogneo, no pode ser disposto no meio ambiente de forma inadequada, por ocasionar danos ambientais e riscos sade pblica.

O adequado gerenciamento do lixo est diretamente relacionado s condies sanitrias e econmicas da populao, que beneficiada tanto pelo fornecimento de novos produtos gerados da reciclagem do lixo, como adubos orgnicos, papis, vidros e metais reciclados, com garantia de um controle sanitrio, evitando a propagao de doenas e epidemias causadas pelo seu mau gerenciamento.

As medidas tomadas, como controle e destino adequado do lixo, considerando o aspecto sanitrio, tm como funo prevenir e controlar doenas a ele relacionadas. Sendo assim, no devemos esquecer que a matria orgnica do lixo segue a lei geral da natureza: tudo se transforma. Por isto, tudo o que h na natureza poder ser considerado lixo no futuro.

Objetivamente, o lixo pode constituir-se num problema sanitrio quando proporciona a proliferao de moscas responsveis pela transmisso vetorial de diversas patologias como diarria infecciosa, amebase, helmintoses etc, servindo tambm como criadouro e esconderijo de baratas e ratos, estes transmissores da leptospirose.

O lixo, depositado ou em contato com a gua, pode contaminar o homem e tambm realimentar e manter diversas parasitoses quando se oferece os dejetos como alimentos aos porcos. Os recipientes como vidros, latas, pneus etc, contendo gua, podem servir de criadouros de mosquitos, como o caso do mosquito da dengue, Aedes Aegypti, dificultando o controle destes vetores. Por isso, o lixo um dos maiores focos de distribuio de doenas que existe, no apenas por sua prpria contaminao com bactrias, vrus, e outros agentes patognicos, como tambm por abrigar diversos animais que so vetores de doenas.

Devemos saber o que fazer com o lixo que est sobre nosso controle. O lixo controlado influencia na vida mdia efetiva do cidado, principalmente, pela reduo de doenas. Alm disso, possvel a recuperao econmica de alguns materiais encontrados no lixo por meio da reciclagem, transformando vidros, plsticos, restos de alimentos, metal e papel em produtos.

Reciclar significa transformar objetos materiais usados em novos produtos para o consumo. Esta necessidade foi despertada pelos seres humanos a partir do momento em que se verificou-se os benefcios que este procedimento traz ao meio ambiente. Ento porque no juntar o til ao agradvel, transformando o que pode prejudicar a natureza e gerar recursos.

A soluo para a problemtica dos resduos slidos passa pela definio de um gerenciamento geral dos resduos, direcionados pela diminuio da gerao do lixo e seu reaproveitamento. Este gerenciamento deve estar respaldado em princpios de educao ambiental, principalmente no que se refere ao trabalho junto populao, visando uma alterao da relao de responsabilidade quanto ao lixo, levando tambm para junto do gerador a construo da soluo, pois no h como deixar de se produzir lixo.

A essncia da idia de reaproveitamento se baseia na reduo das atividades extrativistas de matria-prima. Este fato, associado reduo da qualidade de lixo a ser tratado pela retirada do material reciclvel, torna o reaproveitamento fator fundamental no gerenciamento de resduos slidos, tanto no que se refere a proteo ambiental, quanto as implicaes econmicas. Isso tudo nos leva a vrios questionamentos. O que lixo? De onde vem e para onde vai? Quais seus efeitos nocivos sobre o meio ambiente? O que pode ser feito para reduzi-los? Buscar essas respostas e, a partir delas, engajar-se numa ao coletiva para comear a resolver os problemas presentes uma tarefa eminentemente educativa.

Em Rondnia, as instituies pblicas realizam a coleta seletiva do lixo, como o caso da Embrapa Rondnia, visando atender o que dispe o Decreto Federal 5.940 de 25 de outubro de 2006, que institui a separao dos resduos reciclveis descartados pelos rgos e entidades da administrao pblica federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinao s associaes e cooperativas dos catadores de materiais reciclveis.

Alm da questo legal, prticas sustentveis so uma das polticas que a Embrapa Rondnia preza, pois contribui positivamente para a imagem da empresa e da cidade, j que a coleta seletiva exige um exerccio de cidadania. Alm das possibilidades de aproximao entre a Embrapa Rondnia e a populao, a coleta seletiva pode estimular a organizao da sociedade civil, por meio da doao do lixo coletado a associaes de catadores, gerando emprego e renda para a comunidade, proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas.

AUTORIA

Daniela Garcia Collares
Presidente da Comisso de Reciclagem do Lixo da Embrapa Rondnia
Jornalista e Relaes Pblicas