• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Pneu vira carvo para alto forno e mistura para concreto ecolgico
País: Brasil
Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/00907/0090710pneu.htm
Data: 8/2009
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
A sada encontrada para reduzir passivos ambientais j est em prtica em Campo Grande e brevemente ser ampliada para municpios do interior. A soluo para destinar 360 mil pneus usados a cada ano no ser mais o enterro nos lixes ou fundo de quintal e muito menos cantos de borracharias. Com incentivos fiscais do municpio, empresa Ecopneus j investiu perto de R$ 2,5 milhes em instalaes, aquisio de maquinrio e pesquisas para transformao de toneladas de pneus em "lenha" para alto forno e - mais recentemente - complemento para ligas de concreto ecolgico. Estas duas solues tem sido mecanismo eficaz utilizado na Capital e hoje absorvem 100% da demanda mensal de descartes de pneus, antes destinados para o aterro sanitrio, borracharias e terrenos baldios. Alm de eliminar focos da dengue e por fim a um passivo ambiental dos mais graves, o empreendimento est gerando empregos e renda para a populao. Este modelo, porm, no surgiu de um dia para o outro e est em gestao desde 2006. Foi preciso buscar na Europa ferramentas corretas para baixar custos da reciclagem de pneus, considerada uma das mais complexas por fora da mistura de borracha rgida e ao. Localizada na sada para Sidrolndia, Bairro Tarum, a Ecopneus uma indstria recicladora ainda em estgio de implantao, mas j tem capacidade para absorver e transformar 200 toneladas/ms de pneus descartados em Campo Grande, mas quando estiver operando com capacidade mxima, a empresa vai triplicar produo com 700 toneladas/ms de chips (lascas pequenas - do tamanho de britas - e mdia, de pneus). A utilizao dos pneus de borracha trouxe junto problemtica do impacto ambiental, uma vez que a maior parte dos descartes estavam abandonadas em locais inadequados, causando grandes transtornos para a sade e a qualidade de vida da populao, como intoxicao por fumaa e a proliferao das larvas do mosquito causador da dengue, o Aedes Aegypt. Para se ter uma idia, segundo organizaes internacionais, a produo de pneus novos est estimada em cerca de dois milhes por dia em todo o mundo. J o descarte de pneus velhos chega a atingir, anualmente, a marca de quase 800 milhes de unidades. S no Brasil so fabricados cerca de 40 milhes de pneus por ano. Neste mesmo perodo metade dessa produo descartada. O resultado da parceria da Prefeitura Municipal de Campo Grande com a Ecopneus praticamente eliminou o problema que hoje consome milhares de reais de outras grandes cidades brasileiras que no detm tecnologia para reaproveitamento de pneus descartados. Na Capital, itinerrios dos caminhes de coleta de pneus tem novo destino. Se antes a carga era destinada ao lixo, hoje desviada do aterro sanitrio para o depsito localizado no Jardim Tarum. "De uma s tacada eliminamos dois srios problemas ambientais que incomodavam o municpio, a populao, o Ministrio Pblico e as autoridades de sade pblica", comemora o secretrio de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo. Lembra que at bem pouco tempo, caminhes do municpio precisavam fazer varredura pela cidade para recolher toneladas de descartes, num segundo processo, enterrar pneus em rea especfica do aterro sanitrio. "Hoje a situao outra e o resultado de tal forma surpreendente que o novo empreendimento comercial vem agregando novas tecnologias que vo garantir sobrevida por muitas dcadas", aposta Marcos Cristaldo. Mas essa tecnologia em pleno desenvolvimento na Capital no foi implantada da noite para o dia. O engenheiro Luis Renato Virgili Pedroso da Ecopneus, precisou correr o mundo para descobrir na Alemanha equipamentos compatveis para transformao do pneu em chips. Todo o processo de reciclagem obedece quatro estgios. Por ter componentes rgidos de difcil destruio, os pneus exigem trabalho de mquinas com grande capacidade de fora. O pneu tem estrutura interna de ao, fato que dificulta mais o processo de reciclagem, assim como exige mquinas mais sofisticadas para fazer a separao do ao, incorrendo num custo mais alto para a triturao. "Mas nada que possa subtrair o lucro da empresa". Por enquanto, a Ecopneus trabalha em dois projetos diferentes; o primeiro j em operao a produo de chips para queimar no alto forno de indstrias de cimento e fornecimento das cintas do ao retiradas antes da reciclagem para a Gerdau. Para garantir matria prima suficiente, a Ecopneus ainda conta com a coleta da Recicla Anip (Associao Nacional das Empresas Importadoras de Pneus) que percorre o interior e abastece a empresa em Campo Grande. "Nossa planta est montada para produo de at 700 toneladas/ms de reciclveis de pneus. Hoje, por fora da estrutura de coleta e espaos fsicos ainda estamos muito longe de atingir esse teto, pois chegamos a apenas 100 toneladas, mas apenas uma questo de tempo", garante. Concreto Uma parceria com o Departamento de Engenharia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) est possibilitando a Ecopneus criar um projeto indito no Pas: o concreto ecolgico. Com adio de 30% de Chips (pedaos de pneus) na massa, garante menor custo no preo final do produto. Mesmo ainda em fase experimental o projeto j tem sustentabilidade e a produo, embora pequena, ser adquirida pelo municpio para construo de caladas em conjuntos habitacionais. Dois tipos de piso esto sendo formatados no projeto. "Estamos trabalhando nessa tecnologia e o resultado tem sido altamente satisfatrio e surpreendente", explica Luis Renato Virgili Pedroso. Medidas mitigadoras "O objetivo principal da recicladora, sem dvida, proteger o meio ambiente. Portanto, o municpio est fazendo o dever de casa oferecendo incentivos, atravs de legislaes competentes e linhas de crditos especficas, e mostrando para a sociedade em geral a importncia do trabalho que desenvolvemos", declara Marcos Cristaldo. Alm disso, atenta para influncia significativa que a reciclagem exerce no mbito social, j que uma empresa chega a empregar 30 funcionrios, em mdia. Esse ramo est em pleno desenvolvimento no mundo e ns estamos juntos. "No entanto, falta ainda um maior esclarecimento por parte do setor para que o mercado reaproveite esse material, a exemplo do que j acontece com a reciclagem de papel e de alumnio", lembra o secretrio. Segundo Padilla, existem dois tipos de pneus: os radiais e os diagonais. J o pneu do tipo diagonal, que tem uma estrutura interna base de tecidos, bem mais fcil de reciclar. Porm, a tendncia que tenhamos um crescimento na utilizao de pneus do tipo radial, cujos investimentos para reciclagem so maiores. Estimativas atuais demonstram que o resduo gerado na produo da indstria da borracha no Brasil e que jogado fora gera um prejuzo em torno de US$ 38 milhes. Para viabilizar o aumento dessa atividade seria interessante que houvesse incentivo econmico e uma legislao que estimulasse a aplicao desses resduos reciclados nos compostos de outros produtos, exigindo, inclusive, que os fabricantes utilizassem uma porcentagem de borracha reciclada em seus produtos, como ocorre em Campo Grande com o projeto pioneiro da UFMS e Ecopneus. O revendedor de pneus Marcos Domingos, trabalha no ramo a mais de 15 anos, considera a reciclagem e o reaproveitamento dos pneus usados uma medida que evita a poluio do meio ambiente. "Antes tnhamos um problema com os pneus velhos, pois, no sabamos para onde encaminhar. Agora sabemos que a prefeitura tem um depsito de carcaas velhas. Isso ficou mais fcil para os borracheiros", comentou. Diariamente, Roque Dias Moreira, faz de cinco a seis carretos de pneus velhos para o depsito da prefeitura. Algumas carcaas ele reutiliza para recapear e as outras encaminha para o depsito da prefeitura. Segundo ele o trabalho proporciona uma renda mensal que varia de R$ 2 a R$ 3 mil. "Este meu emprego. Recolho os pneus para evitar a poluio do meio ambiente e tambm garanto o sustento de minha famlia", disse. O borracheiro Jferson Conceio comentou que o caminho da prefeitura passa no local duas vezes por semana para recolher as carcaas. "Para ns um trabalho muito bom. O pneu pode acumular gua e proliferar o mosquito da dengue", frisou. Histria O Pneu de borracha fez com que fossem substitudas as rodas de madeira e ferro, usadas em carroas e carruagens desde os primrdios da Histria. Esse grande avano foi possvel quando o norte-americano Charles Goodyear inventou o pneu ao descobrir, o processo de vulcanizao da borracha quando deixou o produto, misturado com enxofre, cair no fogo. Mal sabia ele que sua inteno revolucionaria o mundo. Fonte: O Pantaneiro