• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Tcnica no garante 100% de recuperao do lixo
País: Brasil
Fonte: http://blogln.ning.com/profiles/blogs/tecnica-nao-garante-100-de
Data: 8/2010
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
LILIAN MILENA Da Redao-ADV Segundo a Associao Brasileira de Embalagem (ABRE), a maior parte dos resduos slidos urbanos produzidos no pas tem baixa parcela de materiais reciclveis. Mesmo assim, o Brasil apresenta elevados ndices de reaproveitamento de embalagens descartadas em comparao aos pases desenvolvidos. Levantamentos realizados entre 2003 e 2007, pela associao, revelaram que o pas recupera cerca de 46% de embalagens de vidro (somando 390 mil toneladas ao ano). Nos Estados Unidos o ndice de reciclagem de 40% (2,5 milhes de toneladas) e na Finlndia, 91%. Em 2004 o Brasil havia recuperado 79% do volume de papel ondulado (aquele utilizado para a produo de caixas) em 2003 os Estados Unidos reciclavam 74% do material. Acesse ranking mundial de reciclagem no portal da ABRE Para alcanar 100% da recuperao de embalagens e demais resduos reciclveis, no basta apenas investir em infra-estrutura ou tecnologias para baratear os processos. Deve-se acrescentar s aes a mudana de paradigmas entre os setores produtivos para que optem por materiais de menor impacto ambiental o que j vem ocorrendo com o aumento da conscientizao na sociedade. O designer industrial e professor da PUC-Rio, Augusto Seibel Machado, autor da pesquisa A questo das embalagens e sua relao com a sustentabilidade, destaca que toda a cadeia de produo de materiais para embalagens (seja ela de plsticos, vidros, papis ou ao) apresenta prs e contras ao ambiente e a lgica econmica. Machado analisou os sistemas de embalagens para distribuio de tomates, a fim de relacionar as principais caractersticas que atendam a comercializao e a um modelo sustentvel. Segundo o pesquisador, todo o sistema de produo de hortifrutigranjeiros do pas est fundamentado no uso da caixa de madeira do modelo conhecido como K, existindo resistncia de grande parte dos produtores e distribuidores em relao aos tipos mais recentes de embalagens de plsticos e de papelo. Esses ltimos se enquadrariam como opes mais sustentveis para o comrcio (o papelo reciclvel e a caixa de plstico tem vida til bastante elevada em relao s caixas de madeira, alm de tambm ser recupervel). No caso da cadeia de produo e distribuio de tomates, da fazenda at a mesa do consumidor, o produto passa por diversos tipos de embalagens, que basicamente so: caixa de madeira, papelo ou plstico, quando transportados para lojas de supermercado e feiras; embalagens de isopor e filme plstico (PVC), quando acomodado em bandejas nas gndolas de supermercados; de vidro, metal, plstico e longa vida, quando beneficiados e transformados em molhos e extratos de polpa. Logo, a exemplo do tomate, no existe soluo nica e eficiente para todo o sistema de logstica da distribuio de alimentos, cabendo indstria avaliar (de acordo com o cliente, transporte, etc.) o melhor tipo de material para promoo da sustentabilidade. Pesquisas Outro estudo, realizado em conjunto pelos institutos Ethos e Akatu Prticas e perspectivas da responsabilidade empresarial no Brasil aponta aumento significativo de Responsabilidade Social Empresarial (RSE) como impacto da ascenso do consumo consciente na sociedade. Em 2004, prximo de 50% das empresas pesquisadas implantavam 11 das 55 modalidades de RSE tabeladas at ento. J em 2008, o total de aes de responsabilidade social registradas em 50% das companhias foi 22, entre 56 modalidades. De acordo com o relatrio, h uma capilaridade dos conceitos de responsabilidade social entre as empresas brasileiras, atingindo inclusive as empresas menores. Mas o envolvimento efetivo com o tema tende a ser maior entre as grandes empresas. O investimento em novos processos, de reaproveitamento de materiais e substituio daqueles de origem fssil pelos de origem biodegradvel, consequncia desse processo. Um exemplo, o da fabricante de plsticos Braskem: em 2005, seu Centro de Inovao e Tecnologia voltou a estudar a produo de eteno a partir de etanol - o objetivo era produzir um polietileno 100% proveniente de matrias-primas renovveis. Como resultando da retomada das pesquisas, em 2008 a companhia se tornou a primeira a receber o certificado de plstico verde do mundo. O Instituto de Pesquisas Tecnolgicas do estado de So Paulo (IPT), tambm realiza estudos no desenvolvimento de plsticos a partir da cana-de-acar. E segundo o pesquisador da PUC-Rio, nos prximos anos as bandejas de isopor utilizadas para embalar legumes, ovos e fios, nos mercados, sero substitudas por bandejas feitas a partir do amido de milho e fcula da batata, um material similar ao isopor, porm de origem natural e biodegradvel, completa. Mas enquanto essas novas tecnologias no so introduzidas no mercado, produtores, comerciantes e indstrias podem optar pelo uso de embalagens com menor impacto ambiental e grau de recuperao. A seguir, os prs e contras de cada tipo de material apresentado pelo pesquisador: Vidro Aspectos positivos: abundncia de matria-prima virgem; altamente higinico; adequado ao contato com alimentos e bebidas; boa capacidade de ser retornvel e reutilizvel; conhecimento do grande pblico em relao ao retorno da embalagem; pode ser reciclado diversas vezes sem perda de qualidade do material. Aspectos negativos: alto consumo de energia na produo, na conformao e na reciclagem; riscos de poluio provenientes das fornalhas; material mais pesado quando comparado a outros (transporte); riscos de acidentes e perdas por quebra (fragilidade). Papel Aspectos positivos: matria-prima renovvel (madeira e fibras vegetais celulsicas); conhecidamente reciclvel; biodegradvel; facilidade e simplicidade do processo de reciclagem. Aspectos negativos: consumo de energia na produo pode ser alto; riscos de poluio na manufatura - grande quantidade de efluentes qumicos lquidos, representando alto impacto ambiental; baixo valor residual para o reaproveitamento; frequentemente se apresenta laminado ou composto com outros materiais dificultando muito a reciclagem; forte associao com lixo; impacto ambiental proveniente do desmatamento (matria prima). Plstico Aspectos positivos: a mais verstil famlia de materiais para embalagens; uso econmico, eficiente e bem apresentado para embalagens individuais; higinico, adequado ao contato com alimentos e bebidas; alta resistncia com pouco volume de material; excelente proteo mecnica com baixo peso (polmeros expandidos); alto ganho de energia quando incinerado; existem alguns compostos polimricos desenvolvidos partir de substncias naturais, sendo conhecidos por bio-polmeros, sem o uso de petrleo e sem totalmente biodegradveis; eficincia e facilidade nos processos de indstria a partir de sobras e na re-coformao. Aspectos negativos: derivado no-sustentvel de matria-prima fssil (petrleo); forte associao com lixo por sua aparncia; dificuldade no reaproveitamento e na separao ps-descarte a partir do lixo domstico; a grande maioria no biodegradvel; frequentemente se apresenta laminado ou composto com outros materiais dificultando muito a reciclagem; riscos de poluio atmosfrica com elementos txicos provenientes da incinerao; perda considervel nas caractersticas e qualidades quando reciclado. Alumnio Aspectos positivos: abundncia de matria-prima virgem e para reciclagem; pode ser reciclado diversas vezes sem perda de qualidade do material; alto valor residual para reaproveitamento, estimula a separao e a reciclagem; conhecidamente reciclvel. Aspectos negativos: altssimo gasto energtico para a produo de matria-prima virgem; riscos de poluio associada ao processo de purificao e limpeza. Metais ferrosos (aos e flandres) Aspectos positivos: abundncia de matria-prima virgem e para reciclagem; uso econmico; eficiente e bem apresentado para embalagens secundrias; o material mais fcil de separar no montante de lixo devido as suas propriedades magnticas; alto potencial de reaproveitamento (mantm suas caractersticas e qualidades quando reciclado, mesmo aps diversos ciclos de vida). Aspectos negativos: considervel consumo de energia na produo de matria-prima virgem; alto impacto ambiental na extrao de matria-prima e no transporte; riscos de poluio proveniente das fornalhas; baixo valor residual para o reaproveitamento; baixo conhecimento do grande pblico em relao aos seus mritos ambientais. Longa vida Aspectos positivos: verstil para embalagens de alimentos pasteurizados; higinicos, adequado ao contato com alimentos e bebidas; uso econmico, eficiente e bem apresentado em embalagens individuais; alta resistncia com volume mnimo de material; boa proteo mecnica com baixo peso (composto de 3 materiais); atualmente h a possibilidade nos processos da indstria de recuperao a partir dos processos de separao a plasma; possibilidade na produo de outros objetos a partir de matrias-primas como os contra-placados, laminados e telhas; boas caractersticas trmicas e de resistncia. Aspectos negativos: como o plstico, um derivado no-sustentvel de matria-prima fssil (petrleo); considervel gasto de energia e de recursos hdricos nos processos de reaproveitamento e conformao; dificuldade no reaproveitamento e na separao ps-descarte a partir do lixo domstico. Demanda uma coleta seletiva; material composto dificultando os processos tradicionais de reciclagem; riscos de poluio atmosfrica com elementos txicos provenientes da incinerao.