• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Homem deixa rastro de lixo espacial em torno da Terra
País: Brasil
Fonte: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=36248
Data: 2/2011
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
URL: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=36248
Curiosidade (texto):
Na ONU ainda no se atigiu consenso sobre como enfrentar o problema Flvio Henrique Lino escreve para O Globo: Um vasto lixo espacial. o que se tornou a rbita da Terra desde que o Sputnik 1 subiu ao espao em 1957. Em meio sculo de viagens espaciais, o homem conseguiu transformar o entorno do planeta numa gigantesca rea de restos, detritos e destroos que, eventualmente, obedecem lei da gravidade e caem de volta, deixando um rastro de fogo nos cus. A Nasa estima em dezenas de milhes a quantidade de detritos espaciais variando em tamanho de menos de um centmetro a mais de um metro. O primeiro objeto a inaugurar a categoria de lixo espacial foi o prprio satlite pioneiro russo, que fez sua ltima transmisso trs semanas aps o lanamento e ficou mais dois meses flutuando inutilmente no espao at reentrar na atmosfera terrestre. Satlites fora de uso e estgios superiores de veculos de lanamento ou seus destroos, em caso de exploso minsculos pedaos de tinta, combustvel solidificado, luvas de astronautas, ferramentas... tudo pode se transformar em lixo espacial. Atualmente, cerca de 11 mil objetos maiores de dez centmetros catalogados orbitam a Terra, e sabe-se que h mais de cem mil com tamanho entre um e dez centmetros. As estimativas para objetos menores do que isso chegam a dezenas de milhes. Os objetos vo batendo uns contra os outros e se fragmentando, aumentando cada vez mais o nmero deles em rbita, explica Jos Monserrat Filho, vice-presidente da Associao Brasileira de Direito Aeronutico e Espacial. De 1999 a 2003, 840t de lixo espacial voltaram Terra As agncias espaciais dos EUA e da Rssia monitoram a localizao dos objetos maiores, que representam perigo real para as espaonaves e os satlites em torno da Terra, pois muitos viajam a uma velocidade de at 40 mil km/h. Em 1997, a Nasa estabeleceu o Centro de Estudos de rbita e Reentrada de Destroos para estudar o lixo espacial. Entre 1999 e 2003, o centro estimou que 840 toneladas de material reentraram na atmosfera da Terra: boa parte, no entanto, no resiste ao calor intenso da frico com a atmosfera e se desintegra antes de atingir a superfcie do planeta. Segundo a Nasa, nos ltimos 40 anos, todos os dias um objeto catalogado cai na Terra. O caso mais famoso de lixo espacial foi o satlite Skylab, de 69 toneladas, cujos destroos caram sem controle no Oceano ndico e na parte ocidental da Austrlia em 11 de julho de 1979, deixando o mundo numa tensa expectativa. O maior objeto considerado lixo espacial at hoje reentrado na atmosfera foi a estao espacial russa Mir, de 120 toneladas, que voltou Terra em 23 de maro de 2001 de forma controlada. A estimativa de que entre 20 e 35 toneladas de material resistiram frico de entrada e caram no Oceano Pacfico Sul, a leste da Nova Zelndia rea designada por tratados internacionais como lixo espacial do planeta. O tempo de permanncia dos objetos no espao varia de acordo com a altitude em que eles orbitam a Terra: abaixo de 600 km, eles caem de volta dentro de alguns anos; na faixa de 800 km em algumas dcadas; acima de mil km, podem continuar circulando o planeta por mais de um sculo. Brasil faz parte de Comit da ONU para Uso do Espao A soluo para o problema do lixo espacial, no entanto, ainda est to longe de ocorrer quanto Pluto se encontra do Sol. Em 1959 a ONU criou o Comit sobre o Uso Pacfico do Espao Exterior, que conta com 67 membros, mas at hoje no houve consenso sequer para definir o que lixo espacial do ponto de vista jurdico. Com isso, o risco l em cima aumenta para os satlites e espaonaves sem que aqui embaixo se adotem medidas eficazes para lidar com o problema de maneira geral. At agora, apenas um acidente grave foi registrado, quando em julho de 1996 o satlite militar francs Cerise chocou-se a 680 km de altitude com um fragmento de um foguete francs Ariane, que havia explodido dez anos antes. Com o impacto, o satlite se desestabilizou, entrou em giro e caiu na Terra de forma controlada. No h uma diretriz para todos os pases envolvidos. O que tem valido uma espcie de bom senso, mas como as atividades espaciais se intensificam e o perigo aumenta, necessrio atacar o problema o mais rapidamente possvel, alerta Monserrat.